Cotidiano

5 motivos para pesquisar um novo autor ou autora na FLIP

image Não sei se vocês sabem mas a FLIP (Festa Literária de Paraty) está acontecendo.

Local que concentra diversos pensadores e escritores contemporâneos, a FLIP deste ano está especial , os organizadores resolveram dar um espaço mais igualitário para as autoras, também para os autores de outras etnias ou lugares que normalmente ficam fora do circuito comum das publicações, por este motivo a minha publicação de hoje será muito mais modesta e simples, eu vou me propor a dar 5 motivos para você ler mais, não apenas isso, por que aí você pega aquela coleção de Harry Potter e pronto, não, não, 5 motivos para você ler mais livros de mulheres, ou africanos, ou autores (e autoras) latino americanos, enfim, 5 motivos para você tentar abrir o seu olhar literário.

Não vou começar com aquelas ladainhas de “ah, vai deixar seu vocabulário mais pomposo” etc, etc. Os motivos óbvios você já sabe, ler vai ter tornar uma pessoa melhor, óbvio mas e então quais seriam outros motivos, mais mundanos, mais pé no chão, quais motivos mais roots mesmo para pegar um livro hoje? Vem cá, só um aviso, como nenhuma destas dicas é comprovada e todas elas partem de um pressuposto adotado por mim, vou iniciar todas elas com “é provável…”,  assim ninguém poderá me acusar de falar besteira.

 

  • É provável que você vá ganhar um salário melhor

Você pode até achar que é pura bravata minha mas é verdade, lendo bastante é provável que você desenvolva diversas outras habilidades importantes como o discurso claro (e coerente), agora, lendo sobre outras culturas ou outros pontos de vista (e o legal seria até pontos de vista que você discorda) o seu repertório ficará muito mais abrangente e vai melhorar até a sua capacidade de analisar melhor as situações, sério, pelo simples motivo de você estar combatendo seus preconceitos e dando a oportunidade de conhecer outras culturas. Todas estas características são importantes para conseguir um carguinho melhor no que você quiser fazer. Se você dúvida joga no google, certeza que existe algum estudo de algum lugar que corrobora essa minha dica

 

  • É provável que você se preocupe menos com coisas estúpidas

Hoje é fácil dar uma ênfase muito grande para coisas sem tanta importância, sabe, passar o dia vendo dicas de pessoas que honestamente não são tão melhores assim que você, tudo bem ver uma ou outra coisa mas dedicar uma vida? Está louco, Gabriel Garcia Marquez foi um Colombiano muito legal e deixou várias coisas escritas muito mais úteis do que as dicas daquele vlogueiro famoso, e no fim o Gabriel nem pede para você se inscrever em nada, usa ele como exemplo e dê a oportunidade para uma Colombiana contemporânea.

 

  • É provável que você fique imune a essa doença de acreditar que a terra é plana

O mesmo vale para todas as outras anti-teorias modernas como  o aquecimento global não existe, dona fulana de tal está viva na Itália, etc. Sério mesmo, é quase como um reflexo da dica número 1, ao ler você afia o seu senso crítico e começa a perceber como esses absurdos são ridículos. E não pense você que isso é fácil, acho que todos nós de algum modo acreditamos que a terra é plana em algum assunto, sendo assim nada como tentar expandir nossa cabecinha para evitar esse tipo de acidente.

 

  • É provável que a sua vida fique muito mais interessante

Não tem nada mais legal do que pegar um livro fora do contexto e encontrar nele alguma história bacana. Um tempo atrás eu peguei um livro chamado Paraíso&Inferno do escritor Islandês Jón K. Stefansson e foi uma das melhores coisas que eu já li, é ótimo e é tão legal observar que eu, no Brasil, me identifico com as personagens de um país tão distante geográfica e culturalmente. Tudo bem que você pode dizer, “ah, Islandês né seu hipocritazinho de mer… e você mandando nós lermos latinos”  mas em minha defesa eu preciso dizer que já li muito Vargas Llosa e Isabel Alende, então tenho um pequeno crédito.

 

  • É provável que você perceba como o a sua cultura é rica

Eu disse na dica 4 que você ficaria fascinado em se identificar com pessoas de culturas distantes e isso é verdade mas também é verdade o fato de você notar como a sua própria cultura é rica e como o seu modo de fazer certas coisas são instigantes, é bacana reconhecer que no meio desse mundo enorme existe algo que te caracteriza como singular. Ao testemunhar (mesmo através dos livros) a forma como outros povos agem em determinadas circunstâncias você vai dar mais valor para aquele seu modo particular de ser e até para as liberdades que existem no seu país que você nem tomava como vantagens, dúvida? Experimenta ler alguma coisa sobre o modo de vida da Coréia do Norte (inclusive existe um vencedor de Pulitzer sobre esse assunto, não vou falar quem é, joga no google ) (mentira, vou sim, o livro se chama Jun Do e é do escritor Adam Johnson, vale demais a leitura), depois de ler sobe a Coréia do Norte, o Camboja, etc, o Brasil parece um paraíso na terra.

 

Uma sexta de bônus, nem vou abrir um item só para ela, livros são muito mais baratos do que passagens, além disso, com os livros você pode entrar em territórios que seriam bem perigosos para ir pessoalmente. Tá aí, se nada disso te incentivar a ler mais e você quiser ficar no seu Harry Potter mesmo, tudo bem, Harry Potter é uma coleção muito bacana de livros, só me faça um favor, não fique discutindo que a terra é plana nem compre livros “escritos” por Youtubers.

 

Já falei que você para de acreditar que as mudanças climáticas são mentira? Sabe assim, por que não são… Só para deixar aqui né, como, enfim… Não são, ok?!

Standard
Cotidiano, Filmes, séries e livros

Você vai aprender algo novo hoje

Se você chegar até o final deste texto eu te prometo que você vai aprender algo novo.

Você vai planejar um casamento, o seu.  A primeira coisa a fazer é concluir a lista de convidados, claro, é com ela que tudo será decidido, dependendo do número de convidados você decide sobre um Buffet maior ou menor, quantas mesas, cadeiras, a comida, meu irmão a comida é o principal, é para isso que muita gente estará lá, sem a comida não tem nem do que falar mal.

Além de tudo, os convidados ditam o clima da festa, dependendo do perfil deles é que você consegue selecionar a banda, a iluminação e a hora adequada do jantar.

Essa tarefa parece tão simples, ora, basta saber quem você quer que vá e pronto, numerar, opa, deu 150, fechado. É isso? Não é isso. Não é isso, pois sempre terão os legais com mochila; O legal com mochila é aquele sujeito que você adora, mas detesta a esposa dele, ou aquela outra muito bacana que começou a andar com um babaca, além do legal com mochila existe o joão sem braço, ele não foi convidado, você não tem contato nenhum com o infeliz mas de algum modo o joão sem braço aparece na festa, sabe-se lá das profundezas de qual grupo essa criatura conseguiu a informação do seu casório e lá está ele, aquele joão sem braço comendo, dando tapinhas nas costas do seu amigo e cagando pela festa toda.

Fechado o número é hora de pensar no Buffet e nos arranjos

O buffet praticamente se encontra sozinho, você escolhe um meio termo para a sua família e a outra família e pronto, um local com espaço suficiente para a renca e pau no gato, já os arranjos é um pé no saco, um pé no saco porque você não imagina a quantidade de diferenças que um companhia é capaz de produzir de castiçais, é isso, uma coisa absolutamente inútil atualmente tem uma gama inteira de diferenças sutis, e não se empolgue, ele será inútil no seu casamento também, você não vai confiar a iluminação da sua festa em um castiçal que tem no lugar da vela uma lampadinha para lá de estúpida.

São infinitos castiçais, gregorianos, venezianos, dinamarqueses, alemães, modernos, retros, clássicos (que são uma variante dentro da variante gregoriana) e depois de uma luta hercúlea para selecionar o castiçal correto acontece o mesmo para as mesas, para as cadeiras, para as cortinas, para tudo, a coisa vai tomar mesmo forma na hora que te esfregarem na tua cara que castiçal escolhido não combina com a cadeira, não rima com a cortina, não orna com a mesa e não se encaixa com a toalha.

Em principio você vai tentar racionalizar sobre o problema,  deve existir algum segredo, sete passos rápidos para ter bom gosto, eles devem combinar, você busca o melhor de si para dizer “hum, este combina com este outro” e olha suplicante para a vendedora que em silêncio sente repulsa pela sua escolha, aos poucos a sua confiança diminui, eu não sei escolher, a coisa se transforma, não é mais uma cadeira que vai participar da sua existência por apenas uma noite, é o seu orgulho que está em jogo e todo o sucesso do seu futuro se materializa naquela escolha, o guardanapo deve ser dobrado de frente ou de revés?

O tempo passa, você já conseguiu resolver as flores e a decoração, a banda é bacana, os músicos são simpáticos, o set-list é agradável, e não poucas coisas começam a se encaixar sozinhas e você honestamente acredita que pegou o jeito para a coisa, orra eu poderia viver disso hein, depois dos primeiros meses tudo meio que tomou vida própria e é como se a festa tivesse decidido se ajeitar sozinha

Meu terno serviu perfeitamente, você encontrou o seu vestido? A sua mãe melhorou daquela gripe? Fiquei sabendo que o primo Luís soube da festa, te amo, te amo.

 

É o dia, você está lá dentro, todos estão sentadinhos, vendo daqui, com a casa cheia, acho que a escolha dessa igreja foi mesmo a correta, que horas são? A impressão que eu tenho é que todos estão impacientes, todos não, na verdade, os únicos impacientes são aquele núcleo próximo ao bom-para-nada primo Luís, que descarado, ele deve estar falando asneiras para todos em volta. A Júlia veio, que bacana.

A música toca, as portas abrem, lá vem ela, lá vem à noiva toda de branco, minha nossa, todos ficaram de pé, existe um senso de urgência, a atmosfera se fecha, o teto da igreja parece desabar lentamente sobre nós, como naqueles joguinhos, o tempo conta e ele vem descendo, vem descendo, que calor aqui.

Ela está linda, claro que está, mas de onde veio esse sufoco? Eu deveria estar emocionado não deveria, desde quando a felicidade é claustrofóbica? Não estou entendendo nada, um suadouro terrível, acho que estou me comportando esquisito, a sorte é que não estão olhando para mim e sim para ela. E ela vem, deveria levar tanto tempo assim até ela chegar aqui? Quanto tempo eu levei? Minha nossa parece para sempre, mais próxima agora, se eu respirar fundo e me concentrar talvez tudo isso acabe logo e eu volte ao meu estado normal, vou apenas ignorar que eu não sinto os meus pés, não sei o que fazer com as mãos e, honestamente, não sei qual é o atual estado do meu rosto.

Tentar manter uma aparência normal é má coisa, na certa vou apenas deixar a carranca mais esquisita, relaxar, vou contar até algum número, já sei, vi um vídeo, inspira cinco segundos, isso, segura cinco segundos; solta cinco segundos. Está melhor, estou melhor.

Ela está tão perto agora.

Essa não é ela, quero dizer, o vestido é o dela. Existem semelhanças assustadoras, tipo quando você vê no meio da rua alguém muito parecido com quem você estudou, mas, inseguro de saber se é ou não é prefere nem dar oi, é isso, não é ela, o pai dela ficou louco? Porque este idiota está caminhando de braços dados com uma moça que claramente não é a sua filha e nem a minha futura esposa? Que merda está acontecendo, puxa cinco, segura cinco, solta cinco. Não pode ser uma brincadeira porque a mãe chora copiosamente, a emoção é geral.

A boca do padre é vagarosa e ele usa os lábios pausadamente, de todo modo, as palavras soam, soam rápido, quando elas chegam é como se eu estivesse preso ao capô de um carro a cento e vinte quilômetros por hora, é absurdo.

Já chegou na parte do sim? É o sim? Deve ser. Eu digo sim, eu digo sim ou eu disse sim? Eu não sei mais, fazem quantos anos? Já são vinte querida?

Ela não responde, ela nem fala comigo, desde o primeiro dia ela sequer me dirigiu uma palavra, afora os momentos de sexo e algumas outras vezes que eu ouvi ela falando com o professor da Melina são raros os dias que sequer escuto a sua voz. É normal, deve ser normal, puxa cinco, segura cinco e solta cinco.

Não existia outro modo de te explicar como é ler um livro do Kafka e eu espero ter despertado em você a curiosidade para pegar em um, é assim mesmo, a principio ele começa se atendo a detalhes que parecem vazios e aos poucos te enfia dentro de um pesadelo, sem ar, sem janelas e sem saber por onde andar.  Agora vai ali, deixa um comentário, discorde, critique e compartilha com alguém.dicas-de-como-poupar-para-o-casamento

foto: http://www.wefashiontrends.com/casamento/

Standard